Quando foi que crescemos?

Cresci, como todos, chega uma hora que a gente "vira adulto". 

E olha que eu passei minha adolescência toda esperando ansiosamente o dia em que eu seria adulta. Afinal, a gente passa a vida vendo filmes e novelas que mostram que a vida de adulto se resume a amores intensos, noites viradas fazendo o que queremos, ter uma casa só nossa, passear e viajar pra onde quisermos e na hora que quisermos, sem pais e ninguém pra dizer o que devemos fazer. E, sabemos que na real não é nada assim.

Pelo menos a minha, a vida de adulto se resume em pensar em meios pra ter um futuro feliz. Preciso trabalhar pra ter dinheiro pra um dia fazer isso ou aquilo, pra realizar meus sonhos. Preciso acordar cedo e fazer coisas que eu nem gosto tanto, porque na vida de adulto temos contas demais, só pra ter um pouco de conforto. E olha que no meu caso, eu queria tanto começar a minha vida de adulto que já comecei cedo. Com 15 anos eu tinha um plano todo formado na minha cabeça, fui trabalhar e buscar esse sonho, porque eu realmente achava que em 10 anos, no máximo, eu teria uma bela casa, um carro do ano e um casamento perfeito.

Cheguei aos 10 anos seguintes e mesmo começando cedo eu não consegui nem metade de tudo que eu pensava em ter, mas vieram outras preocupações e neuras que eu nunca pensei que teria. E então, posso voltar aos 15 anos? Me pego muitas vezes pensando em porque eu não curti mais meus 15 anos, sem preocupações, onde a única coisa que eu tinha que pensar era em ir pra escola e ser uma boa aluna. Podia dormir a tarde, assistir todos os filmes da sessão da tarde, podia brincar e jogar o que quisesse. E se pensar na minha infância então, a vontade de voltar é maior. Não ter maldade, não saber o que é ser invejada, não enxergar a maldade nos olhares quando você conquista alguma coisa, ah, isso era tão bom. Não ser julgada porque você gosta de dançar tal musica, poder sair com a roupa que quiser e ninguém rir de você pelo gosto diferente, poder ser gordinha "porque é fofa", tantas e tantas coisas que eu poderia descrever o resto da semana.

Mas, simplesmente não tem como voltar. Passou… E eu imagino que a eu criança com certeza me diria pra fazer o que eu tivesse vontade, ela é tão espontânea e feliz e segura de si que ela me pegaria pela mão e me levaria pra dançar um "segura o tchan", só pela diversão. Ela me mandaria gravar vários vídeos fazendo coisas divertidas como cantar músicas da Sandy, porque ela é fã. Já eu adolescente falaria "Você vai ser o máximo, porque você é inteligente e pode tudo", ela me traria a segurança de que temos muitos e muitos anos pra conquistarmos o que queremos, pra ter nossa empresa, pra sermos "ricas" e com uma família feliz e perfeita. E o que me deixa mais feliz, as duas teriam orgulho de mim hoje. Passei por todas as fases que vieram, cresci, e por mais que não tenha alcançado o sonho de contos de fadas que tinha, eu já andei metade do caminho e ainda tenho muito pra andar e conquistar.

E eu por completo, de todas as fases, guardo um desejo, que todos tenhamos um pouco de cada fase dentro de nós. Crescemos, mas, mantenha sempre a bondade e pureza da criança que era, a felicidade com as coisas simples e a vontade de se divertir. Mantenha do seu eu adolescente aquela vontade de viver, aquela vontade de se apaixonar, a capacidade de aprender. Seja um adulto completo, um adulto que levou tudo que teve de todas as fases, tudo o que teve de melhor.

Crescemos porque o tempo não para, crescemos porque tudo tem sua hora de acontecer. Então, por todas as fases que tem e terá, não deixe ser um tempo perdido. Use cada fase pra aproveitar o que ela tem de melhor. Se já perdeu a infância e adolescência com coisas de adulto, se permita ser um adulto mais infantil, viva cada momento intensamente e aproveite o agora.

Quero crescer e viver a vida sempre com a sabedoria de um velho, a força de um adulto, a vontade de um adolescente e a leveza de uma criança…

Beijinhos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *